Homem com H maiúsculo

Homem com H maiúsculo
Por que o homem é a maior obra de arte

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Curta Metragem: "Eu não quero voltar sozinho"


Eu estava me preparando para dormir quando decidi baixar um curta metragem da internet para assistir. Trata-se de "Eu não quero voltar sozinho". Fico feliz que não fui dormir. Para quem não conhece Daniel Ribeiro, ele é um diretor que foca na temática gay. Já tinha feito isso muito bem em "Café com Leite" e fez de novo agora com seu mais novo trabalho. Lindíssimo, tocante, singelo, direto ao ponto e sem apelações. Tudo isso resume o conjunto da obra. A trama conta a história de um menino gay, cego de nascença, que desperta sua sexualidade. Sempre pensei em perguntar a um cego (mas não sei se teria coragem) como é descobrir a sexualidade sem poder ver as outras pessoas. Pode parecer uma pergunta banal, mas o sexo, principalmente num mundo de linguagem visual como hoje, está entrelaçado aos aspectos físicos e exteriores. Não que os outros sentidos, fora a visão, não possam apreender a fisionomia de uma pessoa, mas geralmente eles não são usados com tanta frequencia para esse fim. Escolhemos o que é bonito e o que é feio com uma simples olhadela. 
Para um garoto cego que é gay deve ser mais difícil do que para um cego heterossexual, pois ele não tem a visão para comparar os corpos femininos e masculinos e saber qual dos dois gosta. Assim como os gays que enxergam, ele será naturalmente pressionado a gostar de meninas. Deve ser mais complicado perceber do que gosta, uma vez que a sexualidade, para essas pessoas, tem mais a ver com o tato, o olfato e a audição. Tem que tocar, sentir o cheiro e ouvir a voz, tudo com paciência e obstinação. Quem é gay, sabe que é gay por inteiro. Gosta de homem por tudo que ele oferece: cheiro, voz, pelo jeito masculino de ser, pela forma de seu corpo...
Mas como um garoto gay tem a chance de tocar ou cheirar um rapaz para saber se gosta? Bom, oportunidades existirão, mas elas serão mais difíceis e raras. E ele terá que aproveitá-las e saber interpretá-las. Aliás, se eu for mais ousado (e se tu se permitir ser mais ousado também), posso me perguntar o seguinte: se tu nunca viu um homem ou uma mulher, como sabe o que te atrai? Sabe como o diretor responde essa pergunta: ora, a sexualidade vem de dentro, não de fora. Nesse mundo dominado quase que exclusivamente pelo sentido da visão, é difícil entender isso. Talvez por isso os heteros não entendam como dois homens possam se amar, pois eles olham dois homens juntos e só veem isso: dois homens juntos, daí sentem nojo e repulsa. Será que se fechassem um pouco os olhos, não passariam a perceber que homens e mulheres são iguais no escuro? 
Parece um tema complexo para um curta (e é), o que amplia ainda mais minha admiração pelo filme. Em apenas pouco mais de 15 minutos, o diretor constrói, com a delicadeza de uma flor, a ascensão dessa paixão entre dois meninos. Lindíssimo! Me fez lembrar, nesse início de madrugada, que a vida é bonita e vale a pena. Seja você cego ou não.
Vou dormir muito melhor essa noite!










Veja o trailer:

11 comentários:

  1. Bah, muito show o curta! Tomara que o diretor consiga transformar num longa... Fiquei contando os minutos para que não acabasse!!! Vou divulgar no meu blog!

    ResponderExcluir
  2. "Bah"????
    aahahaha
    deve ser sulista...
    seja sempre bem vindo ao meu blog Cristiano!

    ResponderExcluir
  3. Eheheh! Me entreguei com o "bah", Tiagão! Sim, gaúcho de Porto Alegre, fera! Vi vc no m eu blog tb e acho que podemos trocar altas ideias! Abraço, guri!

    ResponderExcluir
  4. Tiago, o filme "O Feitiço de Aquila" é muito legal, vale a pena procurar... Quanto ao livro que vc indicou "Eunucos" vou ver se acho, pois fiquei super interessado! Você tem orkut ou msn, ferão?

    ResponderExcluir
  5. Adorei o curta quando assisti.
    É de uma delicadeza e poesia incríveis.
    E sua descrição só completa a grande verdade dessa história.

    "(...) a sexualidade vem de dentro, não de fora. Nesse mundo dominado quase que exclusivamente pelo sentido da visão, é difícil entender isso. Talvez por isso os heteros não entendam como dois homens possam se amar, pois eles olham dois homens juntos e só veem isso: dois homens juntos, daí sentem nojo e repulsa. Será que se fechassem um pouco os olhos, não passariam a perceber que homens e mulheres são iguais no escuro?"

    Genial!!

    Forte abraço!!

    ResponderExcluir
  6. Muito obrigado pelos elogios samuel... não sou crítico de cinema, apenas gosto de ver filmes e depois comento o que eu acho... ahhahah
    Seja sempre bem vindo ao meu blog!!
    abraços!!!

    ResponderExcluir
  7. Filme magnifico. Direção impecável. Atores de uma sensibilidade que emociona.Levará muito tempo para esquecer que no Brasil, existe profissionais deste calibre e nos faz sentir que a vida ainda tem muita coisa a nos oferecer, basta que procuremos.Valeu a pena esperar 74 anos,41 de casamento,tres filhos e 2 netos e meio,para ver "Não quero voltar sozinho".

    ResponderExcluir
  8. Poxa, pena que tu não deixou contato... pois me emocionei com suas palavras... que bom que pessoas de todas as idades curtiram o filme! espero q possa mostrar esse filme pros seus filhos e 2 netos... e meio.... aliás, pq meio??? kkk
    grande abraço!!!

    ResponderExcluir
  9. " depois de um bom tempo encontrei agora esse curta! Como uma obra tao curta e com minimo de pessoas pode corresponder tao grande mensagem"" São perfeitos os atores e a mensagem, parabens pelo filme criativo, limpo, conviniente e impressionate. abraços a todos. parabens valeu

    ResponderExcluir