Homem com H maiúsculo

Homem com H maiúsculo
Por que o homem é a maior obra de arte

domingo, 27 de fevereiro de 2011

Oscar 2011: "Cisne" é o preferido dos brasileiros, mas não leva...

Pesquisando algumas enquetes na internet essa madrugada pré-oscar eu me deparei com a feliz notícia de que Cisne Negro parece ser o favorito do público tupiniquim.
No site do msn o filme tem a preferência de 36% dos votantes, contra um distante 21% de Toy Story 3.
http://entretenimento.br.msn.com/cinema/oscar-2011.aspx


No site da folha lidera com 25% contra 16% do segundo colocado, "O discurso do rei".
http://polls.folha.com.br/poll/1102501/results


No portal G1 a obra de Aronofsky aparece com 28% da preferência, deixando "A origem" com o segundo lugar e 19% dos votos.
http://g1.globo.com/pop-arte/oscar/2011/


No Terra a disputa é mais acirrada, mas com "Cisne" ainda à frente: 21,69%. "O Discurso" aparece com 18,5% de favoritismo.
http://www.terra.com.br/diversao/cinema/infograficos/oscar-favoritos-e-zebras/index.htm



Adorei o reconhecimento do público por esse filme que tanto mecheu comigo! Todos sabem que não vai levar por que "O discurso do rei" (filme bem convencional e pouco criativo) já está com a estatueta assegurada. Mas resta torcer!
Espero não ter a desagradável surpresa de ver Natalie Portman não vencer. Colin Firth já ganhou também, mas queria mesmo que Jesse Eisenberg ou James Franco levassem. "A origem" deveria levar, no mínimo, roteiro original, além dos prêmios técnicos, é claro!
Diretor? Provavelmente Fincher leva... mas não custa sonhar com Aronofsky...

Agora é cruzar os dedos e torcer contra "O discurso do rei" e a favor de "Cisne" e "A origem". A sorte está lançada!

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Lady Gaga e seu Hino Gay!


Dizem que Lady Gaga copiou Madonna. Pode até ser, mas o que importa mesmo é o conteúdo da letra. E dizer isso de uma cantora pop contemporânea é quase chocante, visto que a música pop de hoje não prima por boas letras. O que me interessa mesmo é que Gaga fez a música que, talvez, seja aquela que se tornará o grande símbolo da luta dos gays no século XXI. Mais do que uma simples canção, é um Hino Anti-homofóbico, um convite à reflexão, mas também um grito de guerra a favor da vida. Seja você gay ou não, Gaga nos convidou a termos orgulho de nós mesmos e de lutarmos contra as vozes inquisidoras que insistem em nos julgar. 

Born This Way

It doesn't matter if you love him, or capital H-I-M
Just put your paws up
'Cause you were born this way, baby

My mama told me when I was young
We are all born superstars
She rolled my hair and put my lipstick on
In the glass of her boudoir

"There's nothing wrong with lovin' who you are"
She said, "'Cause he made you perfect, babe"
"So hold your head up girl and you'll go far,
Listen to me when I say"

I'm beautiful in my way
'Cause God makes no mistakes
I'm on the right track baby
I was born this way

Don't hide yourself in regret
Just love yourself and you're set
I'm on the right track baby
I was born this way

Ooo there ain't no other way
Baby I was born this way
Baby I was born this way

Ooo there ain’t no other way
Baby I was born this way
I'm on the right track baby
I was born this way

Don't be a drag – just be a queen
Don't be a drag – just be a queen
Don't be a drag – just be a queen
Don't be!

Give yourself prudence
And love your friends
Subway kid, rejoice your truth

In the religion of the insecure
I must be myself, respect my youth

A different lover is not a sin
Believe capital H-I-M (hey hey hey)
I love my life I love this record and
Mi amore vole fe yah (love needs faith)

I'm beautiful in my way
'Cause God makes no mistakes
I'm on the right track baby
I was born this way

Don't hide yourself in regret
Just love yourself and you're set
I'm on the right track baby
I was born this way

Ooo there ain't no other way
Baby I was born this way
Baby I was born this way

Ooo there ain’t no other way
Baby I was born this way
I'm on the right track baby
I was born this way

Don't be a drag, just be a queen
Whether you're broke or evergreen
You're black, white, beige, chola descent
You're lebanese, you're orient

Whether life's disabilities
Left you outcast, bullied, or teased
Rejoice and love yourself today
'Cause baby you were born this way

No matter gay, straight, or bi
Lesbian, transgendered life
I'm on the right track baby
I was born to survive

No matter black, white or beige
Chola or orient made
I'm on the right track baby
I was born to be brave

I'm beautiful in my way
'Cause God makes no mistakes
I'm on the right track baby
I was born this way

Don't hide yourself in regret
Just love yourself and you're set
I'm on the right track baby
I was born this way

Ooo there ain’t no other way
Baby I was born this way
Baby I was born this way

Ooo there ain’t no other way
Baby I was born this way
I'm on the right track baby
I was born this way

I was born this way hey!
I was born this way hey!
I'm on the right track baby
I was born this way hey!

I was born this way hey!
I was born this way hey!
I'm on the right track baby
I was born this way hey!

Nasci Assim

Não importa se você o ama, ou O ama
Apenas levante as mãos
Pois você nasceu assim, baby

Minha mãe me dizia, quando eu era jovem
Que nós nascemos como super estrelas
Ela arrumava meu cabelo e me passava batom
No espelho de seu vestiário

"Não há nada de errado em amar quem você é"
Ela dizia, "Pois ele te fez perfeita, querida"
"Então erga sua cabeça garota e você irá longe,
Ouça-me quando eu digo"

Eu sou linda à minha maneira
Pois Deus não comete erros
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci assim

Não se cubra de arrependimentos
Apenas ame-se e você estará bem
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci assim

Ooo, não há outro jeito
Baby, eu nasci assim
Baby, eu nasci assim

Ooo, não há nada que eu possa fazer
Baby, eu nasci assim
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci assim

Não seja uma drag, seja simplesmente uma rainha
Não seja uma drag, seja simplesmente uma rainha
Não seja uma drag, seja simplesmente uma rainha
Não seja!

Seja prudente
E ame seus amigos
Criança oprimida, exalte sua verdade

Na religião da insegurança
Devo ser eu mesma, respeitar minha juventude

Um amor diferente não é um pecado
Acredite N-E-L-E (hey hey hey)
Eu amo minha vida e amo esse álbum e
Meu amor precisa de fé (amor precisa de fé)

Eu sou linda à minha maneira
Pois Deus não comete erros
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci assim

Não se cubra de arrependimentos
Apenas ame-se e você estará bem
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci assim

Ooo, não há outro jeito
Baby, eu nasci assim
Baby, eu nasci assim

Ooo, não há nada que eu possa fazer
Baby, eu nasci assim
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci assim

Não resista, seja simplesmente uma rainha
Sendo rico ou pobre
Sendo preto, branco, pardo ou albino
Sendo libanês ou oriental

Se a vida trouxe dificuldades
Te deixaram afastado, assediado ou importunado
Exalte e ame-se hoje
Pois você nasceu assim, baby

Não importa se você é gay, hétero ou bi
Lésbica ou transexual
Estou no caminho certo
Nasci para sobreviver

Não importa se é preto, branco ou pardo
Albino ou oriental
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci para ser corajoso

Eu sou linda à minha maneira
Pois Deus não comete erros
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci assim

Não se cubra de arrependimentos
Apenas ame-se e você estará bem
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci assim

Ooo, não há outro jeito
Baby, eu nasci assim
Baby, eu nasci assim

Ooo, não há nada que eu possa fazer
Baby, eu nasci assim
Estou no caminho certo, baby
Eu nasci assim

Nasci assim, hey!
Nasci assim, hey!
Estou no caminho certo, baby
Nasci assim, hey!

Nasci assim, hey!
Nasci assim, hey!
Estou no caminho certo, baby
Nasci assim, hey!



domingo, 20 de fevereiro de 2011

Violência contra homossexuais



A homossexualidade é uma ilha cercada de ignorância por todos os lados. Nesse sentido, não existe aspecto do comportamento humano que se lhe compare.
Não há descrição de civilização alguma, de qualquer época, que não faça referência à existência de mulheres e homens homossexuais. Apesar dessa constatação, ainda hoje esse tipo de comportamento é chamado de antinatural.
Os que assim o julgam partem do princípio de que a natureza (ou Deus) criou órgãos sexuais para que os seres humanos procriassem; portanto, qualquer relacionamento que não envolva pênis e vagina vai contra ela (ou Ele).
Se partirmos de princípio tão frágil, como justificar a prática de sexo anal entre heterossexuais? E o sexo oral? E o beijo na boca? Deus não teria criado a boca para comer e a língua para articular palavras?
Se a homossexualidade fosse apenas perversão humana, não seria encontrada em outros animais. Desde o início do século 20, no entanto, ela tem sido descrita em grande variedade de espécies de invertebrados e em vertebrados, como répteis, pássaros e mamíferos.
Em virtualmente todas as espécies de pássaros, em alguma fase da vida, ocorrem interações homossexuais que envolvem contato genital, que, pelo menos entre os machos, ocasionalmente terminam em orgasmo e ejaculação.
Comportamento homossexual envolvendo fêmeas e machos foi documentado em pelo menos 71 espécies de mamíferos, incluindo ratos, camundongos, hamsters, cobaias, coelhos, porcos-espinhos, cães, gatos, cabritos, gado, porcos, antílopes, carneiros, macacos e até leões, os reis da selva.
Relacionamento homossexual entre primatas não humanos está fartamente documentado na literatura científica. Já em 1914, Hamilton publicou no Journal of Animal Behaviour um estudo sobre as tendências sexuais em macacos e babuínos, no qual descreveu intercursos com contato vaginal entre as fêmeas e penetração anal entre machos dessas espécies. Em 1917, Kempf relatou observações semelhantes.
Masturbação mútua e penetração anal fazem parte do repertório sexual de todos os primatas não humanos já estudados, inclusive bonobos e chimpanzés, nossos parentes mais próximos.
Considerar contra a natureza as práticas homossexuais da espécie humana é ignorar todo o conhecimento adquirido pelos etologistas em mais de um século de pesquisas rigorosas.
Os que se sentem pessoalmente ofendidos pela simples existência de homossexuais talvez imaginem que eles escolheram pertencer a essa minoria por capricho individual. Quer dizer, num belo dia pensaram: eu poderia ser heterossexual, mas como sou sem vergonha prefiro me relacionar com pessoas do mesmo sexo.
Não sejamos ridículos; quem escolheria a homossexualidade se pudesse ser como a maioria dominante? Se a vida já é dura para os heterossexuais, imagine para os outros.
A sexualidade não admite opções, simplesmente é. Podemos controlar nosso comportamento; o desejo, jamais. O desejo brota da alma humana, indomável como a água que despenca da cachoeira.
Mais antiga do que a roda, a homossexualidade é tão legítima e inevitável quanto a heterossexualidade. Reprimi-la é ato de violência que deve ser punido de forma exemplar, como alguns países fazem com o racismo.
Os que se sentem ultrajados pela presença de homossexuais na vizinhança, que procurem dentro das próprias inclinações sexuais as razões para justificar o ultraje. Ao contrário dos conturbados e inseguros, mulheres e homens em paz com a sexualidade pessoal costumam aceitar a alheia com respeito e naturalidade.
Negar a pessoas do mesmo sexo permissão para viverem em uniões estáveis com os mesmos direitos das uniões heterossexuais é uma imposição abusiva que vai contra os princípios mais elementares de justiça social.
Os pastores de almas que se opõem ao casamento entre homossexuais têm o direito de recomendar a seus rebanhos que não o façam, mas não podem ser fascistas a ponto de pretender impor sua vontade aos que não pensam como eles.
Afinal, caro leitor, a menos que seus dias sejam atormentados por fantasias sexuais inconfessáveis, que diferença faz se a colega de escritório é apaixonada por uma mulher? Se o vizinho dorme com outro homem? Se, ao morrer, o apartamento dele será herdado por um sobrinho ou pelo companheiro com quem viveu trinta anos?


AUTOR: Dráuzio Varella

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Religiões do mundo em 90 segundos


Para quem curte História e Religião, viaje por cinco mil anos em pouco mais de um minuto! O mapa só lista as principais religiões, mas é bem legal. :)


Confiram no link abaixo: http://mapsofwar.com/images/Religion.swf

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Cisne Negro

 


O cinema é uma das artes mais belas e, talvez, a mais completa delas, por envolver uma gama de trabalhos artísticos, como figurino, pintura, desenho, interpretação, fotografia, música, etc. Justamente por ser tão vasto que ele chama tanto a atenção do público e o arrebata, pois nos faz sentir o toque singular das musas gregas das artes, uma a uma. Mas o cinema é, também, um meio de fazer dinheiro. E muito dinheiro! Não tenho nada contra filmes caça-níqueis. Não mesmo. Adorei Avatar, vi todos os Harry Potter e sou fã incondicional de Guerra nas estrelas. Só que cinema é mais do que bilheteria e simples entretenimento fugaz. Que tal se o filme entreter e também te fazer refletir ou sentir o que nunca sentiu? E se o filme conseguir não ser chato e, mesmo assim, relevante? Parece difícil. E é. Mas para tudo que é difícil existe um Darren Aronofsky. Gosto desse diretor desde Requiem para um sonho, mas só agora passei a admirá-lo na proporção que ele merece.



Cisne Negro, seu mais novo trabalho, conta a história de uma bailarina, Nina Sayers (interpretada pela nova deusa de Hollywood, Natalie Portman) que tem o difícil trabalho de interpretar dois papéis numa adaptação de O lago dos cisnes. Uma menina solitária, frágil e superprotegida pela mãe, Nina se vê numa situação difícil, pois o diretor do espetáculo, Thomas Leroy (Vincent Cassel), acha que ela não tem sensualidade para interpretar o cisne negro, que representa a libido, a luxúria e a maldade.  A bailarina só se sai bem no papel da mocinha da história, o cisne branco, que representa a pureza e a bondade. Desafiada a encontrar o seu lado negro e sombrio, Nina acaba se perdendo na escuridão, não sabendo mais o que é real ou não. À sombra dela (e sempre à sua espreita) duas outras bailarinas: Beth Macintyre (Winona Rider) e Lily (Mila Kunis). A primeira é uma experiente dançarina que foi "convidada" a se aposentar por ser considerada velha. A outra se torna a maior rival de Nina. Muito mais espontânea e vibrante, a jovem dançarina veio de São Francisco e chama a atenção pela doce e  ácida informalidade, despontando como provável substituta da protagonista. Enquanto Beth horroriza Nina por ela lhe parecer o seu futuro, Lily o faz por que parece ter o que Nina não tem: a versatilidade para ser os dois cisnes. 
Disposta a tudo para encontrar o cisne negro dentro dela, Nina adentra o obscuro mundo da sua mente, trazendo à tona o que há de mais sinistro em sua alma. Se interpretar o cisne negro torna suas performances caricatas e fingidas (como lhe diz Leroy em tom de acusação), resta à ela SER o próprio cisne negro, se tornar ele. Não só interiormente, mas por fora também. A transformação tem que ser completa, perfeita. Se o cisne negro é sensual, erótico, indomável e egoísta, Nina também tem que ser. E assim como a irmã negra do balé de Tchaikovsky engana e seduz para conseguir destruir sua própria irmã branca e roubar-lhe  o príncipe, Nina também deve destruir tudo e a todos que estiverem entre ela e seu objetivo.O que deve incluir ela mesma.



Mergulhar com Nina, Natalie Portman (que é uma diva digna de todos os aplausos) e Aronofsky nessa verdadeira aula sobre a alma humana foi uma experiência marcante para mim. Fazia muitos anos que o clímax de um filme não mexia tanto com o meu estado de espírito. Fiquei embasbacado, arrebatado, feliz! Deu vontade de aplaudir e gritar "Viva!" quando os créditos apareceram e, se não o fiz, é por que o pudor de um cinema de shopping center (Plaza Niterói para ser mais específico) não me permitiu. Essa é uma das vantagens do teatro, poder gritar e extravasar após o término do espetáculo. 
Aconselho todos a verem o filme e tirarem suas próprias conclusões. Admito que não é uma obra para todos os públicos. Como a maioria prefere filmes mais comerciais e de fácil digestão, determinadas cenas podem parecer fortes, como as de auto-mutilação, que estão bem verdadeiras. Há, ainda, uma cena de sexo lésbico que é de arrasar o quarteirão. Só isso já vale o ingresso. Se tu só curte efeitos especiais, não vai encontrar muita coisa. Se curte boas histórias, ótimas interpretações, bom roteiro e direção e um clímax de parar o sistema solar, então vá ao cinema mais próximo agora.


segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Teatros do Brasil

Muita gente pode não saber, mas o Brasil possui alguns teatros bonitos e importantes. Não somos um povo que se interessa muito por essa arte e os governantes e os pais precisam incentivar mais a prática de ir assistir peças. Selecionei alguns teatros históricos e outros mais modernos em todo Brasil para compor esse post. Um verdadeiro Passeio!
PS: esse post também serve de homenagem ao meu amigo Lucas A. Chagas que é ator!!! :)



Teatro Municipal de Ouro Preto (1770), Ouro Preto - MG








Teatro Municipal de Sabará (1818-19), Sabará - MG








Teatro São João (1874-76), Lapa - PR








Teatro Sete de Setembro (1884), Penedo - AL








Teatro Municipal de Pirenópolis (1889-1901), Pirenópolis - GO





Teatro São Pedro (1850-1858), Porto Alegre - RS








Teatro Arthur Azevedo (1815-16), São Luís do Maranhão - MA










Teatro de Santa Isabel (1841-1850), Recife - PE









Teatro da Paz (1869-78), Belém - PA
















Teatro Amazonas (1884-1896), Manaus - AM


















Teatro Alberto Maranhão (1898-1904), Natal - RN









Teatro José de Alencar (1908-1910), Fortaleza - CE








Teatro Municipal do Rio de janeiro (1904-1909), Rio de Janeiro - RJ













Teatro Municipal de São Paulo (1903-1911), São Paulo - SP









Teatro Pedro II (1928-30), Ribeirão Preto - SP








Teatro Carlos Gomes de Blumenau (1935-39), Blumenau - SC













Teatro Guaíra (1952-1974), Curitiba - PR














Teatro Nacional de Brasília (1960-66), Brasília - DF






















Teatro Goiânia (1942), Goiânia, GO











Teatro Glauce Rocha (1971), Campo Grande - MS





Teatro Popular de Niterói (2004-07), Niterói - RJ