Homem com H maiúsculo

Homem com H maiúsculo
Por que o homem é a maior obra de arte

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Ano novo, novo português


Acabei de voltar do Espírito Santo. To sem tempo de postar no meu blog por que férias são férias e eu não tenho o PC o tempo todo à minha disposição.

De qualquer forma, dia primeiro de janeiro entra em vigor a nova grafia da língua portuguesa. Temos quatro anos para nos adaptar, mas eu já vou tentar escrever de acordo com as novas regras a partir de janeiro. Com certeza vou demorar muito tempo para acertar tudo e o início vai ser um desastre, mas não custa nada tentar.

Quando tiver mais temnpo eu volto a postar com seriedade de novo. Até lá, me aguardem e feliz 2009!

sábado, 20 de dezembro de 2008

Ocupado em Angra dos Reis

Viajei e já estou em Angra dos Reis na casa dos meus parentes em Jacuecanga (na foto). Devo passar o Natal no Espírito Santo e volto para o Rio no Ano Novo. É provável que não atualize o blog por alguns dias.

Até lá.



Para todos esses amores que nos iluminam a vida (The love of Siam)

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Retratação



Toda vez que eu ouvia falar do filme Kramer vs. Kramer era para criticar a decisão da Academia do Oscar em premiá-lo com a estatueta de melhor filme em lugar de Apocalipse Now. Todos os fóruns, blogs, grupos de discussão que eu participei apontavam opiniões favoráveis a esse pensamento. "Vergonhosa", "absurda", "ridícula". Esses foram alguns dos adjetivos que eu já ouvi para qualificar a atitude da academia de Hollywood. Lembro-me bem que, recentemente, quando Crash venceu O segredo de Brokeback Mountain, vários internautas seguiram o mesmo caminho. A derrota do filme de Ang Lee foi entendida como uma "afronta", tal qual fora a derrota do filme de Francis Ford Copola.



Por algum motivo que eu não sei dizer, sempre comprei esse discurso. Sempre adorei Apocalipse now, mas nunca tinha visto Kramer vs. Kramer. Isso até o mês passado. O que tenho a dizer é que eu descobri que estava errado. Aliás, que coisa imbecil é ter opinião antes de experimentar aquilo que estamos julgando. Não consigo entender o por que da resistência contra o filme de Robert Benton. Penso que filmes de guerra são preferidos pelo público. Será? Eu sinceramente gosto mais de dramas familiares. E Kramer vs. Kramer consegue mais do que ser um drama familiar. Estamos falando de um filme protagonizado por Dustin Hoffman e Meryl Streep, ambos jovens e em interpretações arrasadoras.



Joanna Kramer (Streep) decide abandonar o marido, Ted Kramer (Hoffman) por que ele não a deixa trabalhar e dá mais atenção à sua vida profissional do que a ela. Ted se vê obrigado a cuidar do filho de seis anos a quem não dava tanta atenção antes da separação. As sequências de conflito e carinho entre pai e filho valem mais do que a maioria das cenas que eu já vi no cinema. Mas a história não estaria completa se Joanna não voltasse cerca de um ano e meio depois disposta a brigar na justiça para reaver o filho, o que arrasta os dois a uma dura batalha judicial pela guarda do menino.



As cenas do julgamento são soberbas. Streep mostra por que se tornaria a maior indicada ao oscar da história. Hoffman brilha em vários momentos. Vale a pena se emocionar com a cena em que pai e filho disputam pelo sorvete. Ou quando Ted, desesperado, corre com o filho no braço em direção ao hospital. 
Historicamente falando, algumas situações podem parecer distantes e mesmo irreais para nossa época. Hoje em dia um homem dificilmente pode exigir da esposa que ela não trabalhe. Poucas mulheres se submeteriam a isso. A família representada no filme está datada. Mas todo o esqueleto do filme é atemporal. A maneira como as relações humanas estão concebidas na obra de Benton, são tão tocantes e profundas que fazem os mais sensíveis ficarem pensando no assunto por muito tempo. 
Por outro lado há um tema que o filme toca e que na época tinha uma importância menos relevante do que hoje. Afinal, a mãe deve ter a primazia sobre os filhos na separação? Por muito tempo se pensou que sim. Hoje, muitos homens estão brigando pelo direito de serem pais. Mas serem pais no sentido pleno: aquele que dá amor, carinho, educação, paciência, sabedoria para seus filhos. O sentido antigo de pai apenas como provedor deve ser rejeitado e combatido. Em nossa sociedade, a materinidade é valorizada. As meninas, desde crianças, brincam de ser mãe, de cuidar de filhos. À mulher é inculdada a quase obrigação da maternidade. Para os meninos, pelo contrário, valoriza-se a independência, seja afetiva ou material. Quando tiver um filho (e quero muito ter pelo menos dois), vou procurar ensinar a ele o valor da paternidade. Ensinar que ser homem é bem diferente de ser "machão", de esconder os sentimentos. Quero ter uma relação com ele diferente da que tive com meus pais.  Quem sabe um dia eu não possa sentar e assistir com ele esse filme (que é de 1979) e ensinar mais uma lição a ele: certos filmes são atemporais.

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Beleza asiática


Os concursos de Miss e Mister mundo 2008 terminaram com uma vitória arrasadora da Ásia. A russa (da Sibéria) Ksenia Sukhinova e o vietnamita Ngo Tien Doan venceram em suas categorias. Enquanto a loira possui uma beleza mais clássica, o rapaz tem pele morena e os olhos puxados. Tanto a Sibéria quanto o Vietnã não são lugares associados à beleza no imaginário da maioria das pessoas.




Tentei fazer um exercício para percebir isso em mim mesmo. Escrevi em um papel as primeiras palavras que esses nomes me faziam vir à cabeça. Para Sibéria saiu "gelo", "lobos", "URSS", "tortura". Para Vietnã deu "guerra", "morte", "napalm", "vietcongs". Se alguém não entende porque pensei em tortura para Sibéria, saibam que essa região da extinta URSS era usada como local de trabalhos forçados para aqueles que eram considerados inimigos do regime soviético. Sobre a guerra do Vietnã nem preciso dizer nada por que filmes norte-americanos como "Apocalipse Now" e outros não nos deixam esquecer dos horrores. 




Dois lugares marcados pela morte e pela irracionalidade humana, hoje, deram ao mundo o casal mais belo do ano. Talvez os concursos de miss e de mister não sejam os prêmios mais importantes do mundo, mas me fizeram pensar sobre a beleza em meio ao caos. De todas as coisas que existem na natureza nós, humanos, ainda somos a coisa mais bela (e ao mesmo tempo mais terrível). Vocês podem achar uma bobagem, mas para mim não deixa de ser incrível e até mesmo um máximo que a beleza sobreviva à destruição e à imbecilidade. Ksenia Sukhinova e Ngo Tien Doan estão aí para provar: nós destruímos e matamos, mas a natureza se renova e fascina com sua beleza. Uma beleza sempre nova e única.




O mais interessante em poder apreciar a beleza humana é que eu não preciso viajar milhares de quilômetros para poder fazê-lo. As cataratas do Iguaçu ficam só no Paraná. O Cristo Redentor só no Rio de Janeiro e as pirâmedes de Gizé só no Egito. Mas há homens e mulheres bonitos em todo lugar. E a diversidade é tanta que ficamos perplexos. Até um tempo atrás quando alguém falava em vietnamitas eu pensava logo em um monte de homens magricelos, feios, com aquele chapeuzinho oriental (que o Raiden usa no Mortal Kombat) e uma arma na mão: a imagem de um combatente vietcongue dos filmes. Não imaginava a existência de um Ngo Tien Doan. Não mesmo. E quem diria que a princesa do gelo iria conquistar o mundo? Pois é, nem eu...

Para todos esses amores que nos iluminam a vida (The love Of Siam)

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Viagem pelo Rio de Janeiro (parte IV)

LUGARES PARA SE CONHECER

Cristo Redentor observa a baía de Guanabara.


Cristo com a ponte Rio-Niterói ao fundo.


Urca, com o Pão de Açúcar.


Estádio do Maracanã, na zona norte.


Estádio do Engenhão, também na zona norte. Duas primas minhas moram bem pertinho.


Central do Brasil.

Lagoa Rodrigo de Freitas.


Praia de Ipanema.

Arpoador. Tem uma bela visão de parte da zona sul.

Santa Teresa. Desse bairro se tem uma visão majestosa do Rio de Janeiro.

Copacabana Palace em Copacabana. Inaugurado em 1923, é um dos hotéis mais famosos do mundo. Mas não pense que qualquer um tem grana para se hospedar lá.

Copacabana Palace em uma visão noturna.

Hotel Gloria.


Instituto Oswaldo Cruz. Esse local povoa as imagens da minha infância. Minha tia tem uma casa bem em frente a ele. Quando criança achava que isso era um belo castelo (o que não deixa de ser verdade) e meus primos ficavam me contando histórias de experiências misteriosas que eram feitas lá dentro, incluindo cirurgias em extra-terrestres e um homem metade porco metade humano.


Catedral Metropolitana do Rio de Janeiro, no centro.

Biblioteca Nacional

Museu da República (Palácio do Catete). Antiga sede da presidência da República.


Palácio das Laranjeiras, rediência do governador do estado.


Palácio Tiradentes, aonde fica a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.


Centro Cultural Banco do Brasil. Sempre uma ótima opção para quem procura cultura no Rio.


Arco da Lapa, construção da época do império português que ainda existe até hoje.

Hard Rock Café Rio de Janeiro, Barra da Tijuca, zona oeste.


Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Principal universidade particular brasileira.


Universidade Federal do Rio de Janeiro, campus da Praia Vermelha.

Viagem pelo Rio de Janeiro (parte III)

ALGUNS BAIRROS

Bairro da Tijuca, na zona norte. Ótimo lugar para se morar, exceto pela violência.


Méier, importante centro comercial da zona norte.


Ipanema, um dos mais charmosos bairros da zona sul.


Ipanema, avenida Vierra Souto.


Gávea, bairro com IDH de 0,970. Pena que o resto da cidade não acompanha...


Leblon. Preferia o bairro quando ele não me lembrava as novelas do Manoel Carlos.


Barra da Tijuca, bairro de classe média-alta e alta da zona oeste. Nesse dia a praia estava bem lotada.

Barra da Tijuca

Barra da Tijuca

Barra da Tijuca

Vista aérea da Rocinha (vejam como ela se espalha pela zona sul do Rio)

Centro da Cidade. Dá pra ver a Biblioteca Nacional, o Theatro Municipal e a Catedral Metropolitana.


Centro do Rio, com as duas torres do Ventura Tower ao lado da Catedral Metropolitana.


Copacabana, sem dúvida o bairro mais famoso do Rio no mundo todo.


Vista Noturna de Copacabana.


Flamengo. Aqui nasceu o time que eu torço.


Flamengo, durante a noite.